Filtrado Doce Peterlongo Espuma de Prata Rosé Zero Álcool 660ml
  • Filtrado Doce Peterlongo Espuma de Prata Rosé Zero Álcool 660ml
  • Filtrado Doce Peterlongo Espuma de Prata Rosé Zero Álcool 660ml

Filtrado Doce Peterlongo Espuma de Prata Rosé Zero Álcool 660ml

Sku: 4069

Categoria: Outras Bebidas

Marca: Peterlongo

Quantidade Disponivel: 0 un

Prazo de Produção: 1 dia útil

Produto Indisponível
Unidade: un
un
Frete e Prazo

Simule o frete e o prazo de entrega estimados para sua região:

Descrição do Produto

O Filtrado Doce Peterlongo Espuma de Prata Rosé Zero Álcool apresenta  coloração rosada atraente, com aspecto límpido e brilhante, aromas intensos de frutas vermelhas, lembrando amora, morango e framboesa, exaltados pela presença do gás carbônico, paladar adocicado, com bom frescor, o que o torna um produto leve e agradável.

Informações do Produto

ANÁLISE SENSORIAL
Visual:  Apresenta coloração rosada atraente, com aspecto límpido e brilhante.
Olfato: Aromas intensos de frutas vermelhas, lembrando amora, morango e framboesa, exaltados pela presença do gás carbônico.
Paladar:  Paladar adocicado, com bom frescor, o que o torna um produto leve e agradável.


Origem: Serra Gaúcha - RS
Vinícola: Peterlongo
Tipo: Refrigerante de Uva Rosé
Uvas: Isabel e Niágara Rosada
Graduação Alcoólica: 0%
Açúcares Residuais: 90 g/L
Acidez total: 6,5 g/L
Açúcares totais em glicose: 93
pH: 3,22
Densidade: 1060
Extrato seco: 19,9
Pressão: 2,5
Volume: 660ml
Temperatura de Consumo: 4ºC - 6ºC
Harmonização: Acompanha bem todas as refeições.

Vinhedos: Localizados na Serra Gaúcha. Conduzidos em latadas simples, com produtividade de 23.000-25.000kg/ha.

Colheita: Manual e seletiva.

Método de elaboração: É elaborado a partir de mosto (suco) de uvas Isabel e Niágara Rosada. O suco é extraído através de uma prensa pneumática, sendo posteriormente clarificado e estabilizado por 7 dias à  – 2ºC. Após esse período de estabilização, o produto é rigorosamente filtrado, ficando com aspecto límpido e brilhante. Em seguida, segue para o engarrafamento onde é gaseificado artificialmente e envasado em garrafas de vidro de 660 ml.

 

A Vinícola Peterlongo

Desde sua fundação, em 1915, a Peterlongo preocupou-se, não apenas em manter o mesmo método de elaboração do champagne usado pelos franceses, mas também com as condições de produção e armazenagem da bebida. A construção segue os padrões da região de Champagne, na França e suas instalações incluem uma residência em forma de castelo e uma cave subterrânea de 10 mil m².

Toda em pedra basalto, a cave baseada nos moldes franceses, mantém a constante temperatura das garrafas em todas as estações do ano. Com o decorrer dos anos a cave foi sendo ampliada para poder acompanhar o crescimento da produção de champagnes da Peterlongo. 

A Vinícola Peterlongo está localizada na Serra Gaúcha, na cidade de Garibaldi, conhecida como a Capital Nacional do Chamapnha. Suas instalações e a qualidade das bebidas que produz atraem visitantes do Brasil inteiro e também do exterior. Todos ávidos por conhecer e degustar o primeiro e único champagne do Brasil.

Com mais de 100 anos de tradição, a Vinícola Peterlongo convida você a conhecer a nossa história e produtos, com reconhecida qualidade internacional.

Champagnes e Espumantes

Você sabe qual a diferença entre champagne e espumante? 

Para começar, é importante deixar claro que “todo champagne é espumante, mas nem todo espumante é champagne.” O nome espumante é dado a todo vinho que sofre duas fermentações naturais. A primeira delas é a fermentação alcoólica, comum de todos os vinhos, que transforma o açúcar da uva em álcool e que ocorre em tanques ou barris de carvalho.

A segunda, que é quando o espumante adquire a efervescência, pode ocorrer em tanques de aço inox pressurizados (método charmat) ou pode ser feita na própria garrafa (método champenoise ou tradicional/clássico).

Agora, vamos ao termo polêmico: champagne. Resumidamente, o champagne (ou champanhe) é um vinho branco espumante produzido na região de Champagne, nordeste da França.

Para receber essa nominação, a bebida deve ser produzida na região administrativa de Champagne-Ardenne e deve ser feita com uvas Pinot Noir, Pinot Meunier e Chardonnay – cultivadas dentro desta região delimitada, respeitando rigorosos métodos de produção. O nome champagne é uma Dominação de Origem Controlada – AOC – das mais rigorosas da França, instaurada em 1927 e protegida com grande vigilância.

Champanhe no Brasil

Enquanto alguns precisaram abandonar a nomenclatura, no Brasil, mais precisamente na serra gaúcha, a vinícola Peterlongo conseguiu, nos anos 1970, autorização do Supremo Tribunal Federal para manter a denominação champanhe em seus rótulos. O fato aconteceu porque a bebida começou a ser produzida aqui, com o processo exigido, antes da regulamentação de 1927.

A Vinícola Peterlongo obteve, então, direito à utilização e divulgação do nome na apresentação de seus produtos de acordo com a lei 78.835, após um processo movido por uma empresa francesa.

É por isso que a nossa Elegance Champenoise Brut é considerada o primeiro champagne do Brasil. Elaborada a partir de cortes nobres das variedades Chardonnay e Pinot Noir, com coloração dourada, perlage fino e persistente, a bebida apresenta aromas complexos com notas de frutas maduras e sabor harmonioso e atende aos mais exigentes paladares, com requinte e sofisticação.

Qual a diferença entre os tipos de espumantes?
Como todos os vinhos, os espumantes são bebidas cujo açúcar natural das uvas é transformado em álcool pelo processo de fermentação. Assim, as bebidas são classificadas pela quantidade de açúcar residual.
A adição de uma pequena quantidade de “licor de dosage” ao vinho – também conhecido como “licor de expedição” – é um dos últimos passos antes do arrolhamento final.
É esse licor de expedição e o seu teor de açúcar que vai determinar se o espumante será: Nature – até 3 gramas de açúcar por litro / Extra-Brut – 3,1 a 8 gramas / Brut – 8,1 a 15 gramas / Demi-Sec – 15,1 a 60 gramas e Doce/Moscatel, acima de 60 gramas.
Para entender melhor, é importante esclarecer os termos técnicos mais comuns que são utilizados para definir a bebida:

Brut – Entre as dominações Extra-Brut, Nature ou Brut, a última é a mais comum, já que se trata da forma que mais cabe ao paladar. Nessa versão, contamos com menos de 15 gramas de açúcar residual por litro. O açúcar serve para dar equilíbrio ao produto final.

Demi-sec – Também conhecido como meio-doce ou meio-seco, esse espumante possui uma média de 15,1 a 60 gramas de açúcar residual por litro, porém, só é possível interpretá-lo como mais seco ou suave depois de abrir a garrafa e degustá-lo, pois a variação entre eles é grande.

Moscatel – Essa versão apresenta cerca de 60 gramas de açúcar por litro e é conhecida como espumante para sobremesa. Agrada aos paladares mais doces.
Portanto, na hora da escolha do seu espumante para o seu evento, o ideal é analisar o cardápio que será harmonizado com a bebida e o perfil dos convidados.

 

Avaliação dos Clientes
  • Nenhum comentário foi postado para esse produto, seja o primeiro!

Fale Conosco
×