Peterlongo

 

A Vinícola Peterlongo

Desde sua fundação, em 1915, a Peterlongo preocupou-se, não apenas em manter o mesmo método de elaboração do champagne usado pelos franceses, mas também com as condições de produção e armazenagem da bebida. A construção segue os padrões da região de Champagne, na França e suas instalações incluem uma residência em forma de castelo e uma cave subterrânea de 10 mil m².

Toda em pedra basalto, a cave baseada nos moldes franceses, mantém a constante temperatura das garrafas em todas as estações do ano. Com o decorrer dos anos a cave foi sendo ampliada para poder acompanhar o crescimento da produção de champagnes da Peterlongo. 

A Vinícola Peterlongo está localizada na Serra Gaúcha, na cidade de Garibaldi, conhecida como a Capital Nacional do Chamapnha. Suas instalações e a qualidade das bebidas que produz atraem visitantes do Brasil inteiro e também do exterior. Todos ávidos por conhecer e degustar o primeiro e único champagne do Brasil.

Com mais de 100 anos de tradição, a Vinícola Peterlongo convida você a conhecer a nossa história e produtos, com reconhecida qualidade internacional.

Champagnes e Espumantes

Você sabe qual a diferença entre champagne e espumante? 

Para começar, é importante deixar claro que “todo champagne é espumante, mas nem todo espumante é champagne.” O nome espumante é dado a todo vinho que sofre duas fermentações naturais. A primeira delas é a fermentação alcoólica, comum de todos os vinhos, que transforma o açúcar da uva em álcool e que ocorre em tanques ou barris de carvalho.

A segunda, que é quando o espumante adquire a efervescência, pode ocorrer em tanques de aço inox pressurizados (método charmat) ou pode ser feita na própria garrafa (método champenoise ou tradicional/clássico).

Agora, vamos ao termo polêmico: champagne. Resumidamente, o champagne (ou champanhe) é um vinho branco espumante produzido na região de Champagne, nordeste da França.

Para receber essa nominação, a bebida deve ser produzida na região administrativa de Champagne-Ardenne e deve ser feita com uvas Pinot Noir, Pinot Meunier e Chardonnay – cultivadas dentro desta região delimitada, respeitando rigorosos métodos de produção. O nome champagne é uma Dominação de Origem Controlada – AOC – das mais rigorosas da França, instaurada em 1927 e protegida com grande vigilância.

Champanhe no Brasil

Enquanto alguns precisaram abandonar a nomenclatura, no Brasil, mais precisamente na serra gaúcha, a vinícola Peterlongo conseguiu, nos anos 1970, autorização do Supremo Tribunal Federal para manter a denominação champanhe em seus rótulos. O fato aconteceu porque a bebida começou a ser produzida aqui, com o processo exigido, antes da regulamentação de 1927.

A Vinícola Peterlongo obteve, então, direito à utilização e divulgação do nome na apresentação de seus produtos de acordo com a lei 78.835, após um processo movido por uma empresa francesa.

É por isso que a nossa Elegance Champenoise Brut é considerada o primeiro champagne do Brasil. Elaborada a partir de cortes nobres das variedades Chardonnay e Pinot Noir, com coloração dourada, perlage fino e persistente, a bebida apresenta aromas complexos com notas de frutas maduras e sabor harmonioso e atende aos mais exigentes paladares, com requinte e sofisticação.

Qual a diferença entre os tipos de espumantes?
Como todos os vinhos, os espumantes são bebidas cujo açúcar natural das uvas é transformado em álcool pelo processo de fermentação. Assim, as bebidas são classificadas pela quantidade de açúcar residual.
A adição de uma pequena quantidade de “licor de dosage” ao vinho – também conhecido como “licor de expedição” – é um dos últimos passos antes do arrolhamento final.
É esse licor de expedição e o seu teor de açúcar que vai determinar se o espumante será: Nature – até 3 gramas de açúcar por litro / Extra-Brut – 3,1 a 8 gramas / Brut – 8,1 a 15 gramas / Demi-Sec – 15,1 a 60 gramas e Doce/Moscatel, acima de 60 gramas.
Para entender melhor, é importante esclarecer os termos técnicos mais comuns que são utilizados para definir a bebida:

Brut – Entre as dominações Extra-Brut, Nature ou Brut, a última é a mais comum, já que se trata da forma que mais cabe ao paladar. Nessa versão, contamos com menos de 15 gramas de açúcar residual por litro. O açúcar serve para dar equilíbrio ao produto final.

Demi-sec – Também conhecido como meio-doce ou meio-seco, esse espumante possui uma média de 15,1 a 60 gramas de açúcar residual por litro, porém, só é possível interpretá-lo como mais seco ou suave depois de abrir a garrafa e degustá-lo, pois a variação entre eles é grande.

Moscatel – Essa versão apresenta cerca de 60 gramas de açúcar por litro e é conhecida como espumante para sobremesa. Agrada aos paladares mais doces.
Portanto, na hora da escolha do seu espumante para o seu evento, o ideal é analisar o cardápio que será harmonizado com a bebida e o perfil dos convidados.

Vinhos

Resultado de uvas especialmente selecionadas para elaboração da bebida, apresenta opções que harmonizam perfeitamente com cada momento, com ampla variedade de linhas que vai desde vinhos de mesa até vinhos finos.

O clima tem influência direta no processo de amadurecimento das uvas. Em regiões em que o clima frio predomina, é mais provável que a produção de uvas brancas seja mais comum, afinal, elas têm uma tendência maior de adaptação às baixas temperaturas. Nesse caso, o sabor da bebida será mais refrescante com uma acidez mais elevada e, consequentemente, com menor teor alcóolico. Já nas regiões de clima quente, são os tintos que predominam. Sua acidez é mais moderada e o teor alcoólico é maior se comparado aos vinhos produzidos com uvas brancas.

Como o clima influencia no sabor do vinho

Além da luz solar e do calor, a produção da videira também é influenciada pelo volume de chuvas durante todo o ano. Grandes quantidades de precipitação no período de colheita podem prejudicar a qualidade da fruta, fazendo com que os níveis de açúcar sejam menores e o risco de fungos seja maior. A variação de temperatura entre o dia e a noite é um dos grandes diferenciais para a região do cultivo da uva. O calor durante o dia auxilia no amadurecimento correto da fruta, enquanto o frio no período noturno permite que a videira descanse, retendo maior acidez e frescor nas uvas. Isso faz com que produtores de regiões mais quentes busquem terrenos de altitude, onde as noites são mais frias, conseguindo um equilíbrio entre as temperaturas. Como o homem ainda não possui controle sobre as mudanças climáticas, e os produtores estão sujeitos a condições de clima diferentes de um ano para outro, o vinicultor combina uma safra com outra ou variedades diferentes de uvas para manter a qualidade da bebida. Esse processo é chamado de blending.

O que é o tanino?

O tanino é um tipo de polifenol produzido pela planta que pode ser encontrado em quantidades significativas nas sementes e na casca da uva.O mesmo é produzido como um sistema de proteção com a intenção de ter uma forte sensação de amargor, evitando que a planta seja comida antes do amadurecimento. Conforme a fruta amadurece, com a semente pronta para germinar, o tanino vai se tornando menos amargo, deixando a fruta mais palatável. Mas sua presença não se restringe apenas ao fruto, aparece em grandes quantidades em troncos de árvores e raízes, por isso barris de carvalho também contém grandes quantidades de tanino em sua composição.

O tanino e o sabor de um vinho

O tanino é uma característica mais marcante em vinhos tintos. Quando um vinho tinto é jovem ele tem a tendência a ter uma sensação maior de adstringência. Conforme este vinho envelhece, ocorre o “amadurecimento” destes taninos fazendo com que o vinho fique cada vez menos adstringente. Os efeitos desejáveis do tanino é que ele serve para dar corpo e complexidade ao vinho. Além disso, tem uma forte relação com a nossa saúde, tendo efeitos positivos na redução de colesterol e no retardamento do envelhecimento celular.

Desde os primeiros registros históricos, o vinho sempre foi cercado de lendas, mistérios e curiosidades. Sua presença em importantes acontecimentos e períodos da história antiga da humanidade deu a bebida um simbolismo místico. Até mesmo em diferentes religiões, como a católica e na mitologia grega, a bebida tem seu reconhecimento por fazer parte da evolução do homem. Mais do que acompanhar os grandes banquetes em reinos no continente europeu,durante a Idade Média, na cultura ocidental o vinho foi protegido e perpetuado por Baco, versão romana do deus grego Dionísio. Para uns, símbolo de requinte e status, para outros, sinônimo de diversão e prazer, o vinho possui situações curiosas particulares que podem mudar seu ponto de vista e fazer você ver uma simples garrafa da bebida com outros olhos.

Para você não ter surpresas ao escolher um vinho, opte por um Peterlongo. Nossos rótulos garantem a você toda a qualidade e sabor de um vinho tradicional e original produzido dentro de processos rigorosos, oferecendo a melhor experiência para brindar aquele momento especial. Se você aprecia rótulos mais jovens fica a nossa indicação para a linha Terras, com vinhos joviais e aromas frutados. Se preferes vinhos com potencial de guarda indicamos a linha Armando Memórias que apresenta aromas mais complexos e taninos mais aveludados provenientes de vinhos envelhecidos pelo carvalho francês.

Sucos integrais

Não é de hoje que as propriedades do suco de uva integral vem sendo estudadas. Assim como o vinho, a bebida causa muitos questionamentos quanto às suas contribuições para a saúde.

A boa notícia é que, mais do que uma ótima opção para refrescar, o suco de uva integral parece ser também um grande aliado da saúde. Queridinha do momento, a bebida tem chamado atenção por suas propriedades antioxidantes e, mais recentemente, pelo seu potencial emagrecedor.

O suco integral é geralmente comercializado em garrafas de vidro e difere-se dos sucos de uva em caixa porque é feito com a uva integralmente, com casca e semente. Além disso, o líquido passa por um processo em que tem sua temperatura elevada a cerca de 80°C, produzindo assim mais moléculas antioxidantes.

Em função disso, além de ser rico em antioxidantes – a uva contém mais de 20 -, o suco de uva integral também tem em suas propriedades anti-inflamatórias, que estimulam as células a não gerarem gordura.

E não para por aí: sua composição nutricional apresenta boa quantidade de arginina, aminoácido que ajuda a melhorar a pressão porque dilata as artérias e facilita a circulação. O suco de uva integral também tem glutamina, que ajuda na parte intestinal. Juntas, as duas substâncias protegem o corpo de muitas doenças.

O resultado é uma bebida que ajuda a emagrecer, melhora a circulação, protege o coração de doenças cardiovasculares, aumenta a imunidade do organismo e ainda retarda o envelhecimento. A bebida também melhora a memória e diminui os riscos de doenças degenerativas, como o Alzheimer .

Alguns estudos ainda associam o suco de uva integral à prevenção de alguns tipos de câncer, como o de mama e de colo de útero e à melhora da saúde muscular, ajudando a manter os músculos mais flexíveis.

Como consumir suco de uva integral: o primeiro e mais importante passo para garantir todos os benefícios da bebida, é cuidar para que o suco de uva seja realmente integral. Para isso, fique atento aos rótulos que devem indicar se o suco é integral e orgânico. Preste atenção também à cor da bebida, que deve ser roxa bem escura.

Escolhida sua bebida, na hora do consumo o suco deve estar associado a uma alimentação saudável para garantir que seus nutrientes sejam liberados.

O ideal é ingerir um copo de suco de uva integral por dia, sempre sozinho, no intervalo das refeições. Se preferir, você pode diluí-lo com um pouco de água, mas evite adicionar açúcar.

Frisantes

Produzido naturalmente a partir de um único processo de fermentação da uva, sua principal caraterística, que o diferencia dos demais vinhos, é a presença do gás carbônico – cerca de metade da quantidade encontrada nos espumantes. Em alguns vinhos, esse gás carbônico é introduzido no momento da fermentação alcoólica de maneira artificial.

Outra característica importante da bebida é que para ser considerado frisante, a graduação alcoólica deve ser de 7 a 14% em volume, com um conteúdo de gás carbônico de 1,1 até 2 atmosferas de pressão a 20º C, natural ou gaseificado.

Muito semelhante, e até confundido com o espumante, o vinho frisante não é tão conhecido como os outros tipos de vinho, mas pode ser igualmente apreciado por apaixonados pela bebida. 

Os frisantes podem ser produzidos tanto na versão branca, quanto tinto ou rosé e são um vinho para consumo rápido, já que não suporta o envelhecimento. Além disso, são ótimas opções para dias quentes, já que sua temperatura de serviço varia entre 6°C e 8°C.

Os mais conhecidos frisantes são os produzidos na Itália, conhecidos como lambruscos e considerados um dos vinhos mais antigos do país, com vestígios encontrados de mais de mil anos atrás.

A principal característica dos frisantes é serem vinhos leves e refrescantes. Por isso, na hora de harmonizá-los, a sugestão é que acompanhem refeições igualmente leves. Entre as opções estão frutas e sobremesas, como quiches e suflês. Entretanto, em função da forte acidez e presença de gás, também acompanham bem refeições mais gordurosas, já que a acidez ajuda a limpar a gordura do paladar.

São também uma ótima escolha para o aperitivo, momento inicial da refeição, quando são servidas pequenas porções de comidas, que podem ser degustadas com a mão ou em pequenos potinhos. Nessa lista entram queijos, embutidos, patês e castanhas – amendoins, amêndoas e nozes em geral.

Para a refeição principal, opte por harmonizar os frisantes com peixes grelhados, camarão, sushi e ceviches. Em jantares, são um acompanhamento perfeito para salgados ou até mesmo para pizzas.

 

Fale Conosco
×